domingo, 15 de fevereiro de 2009

Política, Arte e Mulheres

Evair costumava sempre após a caminhada vespertina esticar até um supermercado para comprar algumas especiarias e cozinhar quando em casa chegava. Isso era um rito diário: caminhava cinco ou seis quilômetros em volta de uma praça e, encontro marcado tinha com, quando não o mercado, a vendinha de Seu Ortega e lá fazia as comprinhas para quando, no início da noite, chegasse em seu modesto apartamento de solteiro, preparasse uma comidinha, da qual desfrutava com deleite e tinha por única reclamação as louças para lavar.
Vida mesquinha! Pensavam os que acompanhavam com o olhar o dia à dia do Evair. E o olhavam cheios de miseicórdia n'alma, não desejando nunca aquilo para si ou para ninguém. O Evair era tão apagado que muitos desejavam à si a morte ante levar vida daquela. Solteiro, sozinho e sem amigos, amante da culinária e só.
O Evair, como sofre, hem? Se perguntavam quando era alvo de conversas alheias. Nenhum: - Mas que exemplo! de homens ou: - Mas que homem! de mulheres. Assim era o Evair.

Pedro.

2009

5 comentários:

Marco Crupi disse...

Hello I really like your blog, I would like a link exchange with you, I insert your blog to my favorite blogs ;)

the address of my blog is: http://marcocrupifoto.blogspot.com/

My blog deal of the art of photography.

( photo technique, post production, photo retouching, Reportage, how-to and articles )

Petro disse...

Tutti ladre!!!

Welcome to my world!

Thanks,

Petro!

aluisio martins disse...

Mas que exemplo de escritor! Assim é Pedro Costa. Só quero o meu exemplar dos muitos livros que vc vai publicar, meu amigo. Autografado, que se diga.
Abs

Lia disse...

E o Evair nem aí para o que se pensava dele...rs
Adorei.
Um abraço

Ákhila disse...

Textos maravilhosos! Sucesso!
Paz