terça-feira, 6 de maio de 2008

O primeiro grito

É bacana o bacanal das palavras execradas pela mesura. Dar bananas ao câncer do acerto fácil. Difícil e mais útil é o risco do êxtase. Se o risco é torto, tanto melhor. O pecado da poesia é inevitável. Se estreitos são os caminhos, largos devem ser os poetas e os amantes. A ponto de desistirem de si mesmos por uma aparente inutilidade. Somente os covardes vivem sorrindo. E isso é triste porque é desviar o olhar para as vitrines, evitando abismos, noites e descaminhos. Não há muito que se esconder para quem muito busca se encontrar. (aluisiomartins)

* Este espaço é dedicado a toda forma de protesto. Não tem que ter utilidade, mas pode até ser de utilidade pública. Pois há quem se sinta enjaulado.

"(...) Pois paz sem voz, não é paz. É medo."

4 comentários:

Sheilla disse...

O mundo seria menos aromático sem a sua existência. Suas palavras perfumam meus dias!
Amo-te!
Bjs meus,
Sheilla

valeriasidney disse...

Lindo, meu amigo!!!
Desejo sua inspiração sempre.
Beijos e Fica com Deus.
Val

Petro disse...

Gosei bastante, caro primo e amigo. A parte sobre a covardia, que é comum a muitos dos nossos "amigos" poetas... é a pura verdade.

Ákhila disse...

Belíssimo...desnecessário comentários...além do GRITO, o SILÊNCIO fala "per si".

Parabenízo-o, caríssimo amici.