segunda-feira, 18 de maio de 2009

Mediterrâneo


Como será teu rosto quando,
transfigurado pelo desejo?
O cabelo desregrado,
subitamente obscurecido pelo suor,
serpenteará na testa
e as pupilas emergirão do azul.
Tu serás meu cavalo, Ora leão, Ora fênix.
Terás o sabor e o aroma dos temperos que adivinho,
sempre regados com o azeite mais puro.
Se imobilizada pela sombra de teu corpo,
profanarás meu templo,
e juntos,
recriaremos o Mito de Pompéia.
Depois,
cobertos de lava e cinzas,
e vencidos “pêlo a pêlo” selvagem,
nos banharemos no Mediterrâneo.

2 comentários:

pimenta disse...

POOdre de chique vcs hein?

aliciamentos&alucinações disse...

que delícia acordar no meio da madrugada pra revirar poemas e dar de cara com teu lirismo lindo!
que sorte a minha pelo achado e tua pela inspiração...
beijo...
(sheyladecastilhoº