segunda-feira, 6 de julho de 2009

sem taurus



não gosto de bater portas e com isso causar feridas
eu prefiro abrir as janelas, para que invada a ventilada vida.
é prova de amor, mostrar o gosto nem tão doce da verdade
e não ferir lentamente por vício, apego e vaidade.
flutuo entre o presente e o passado que ronda recente,
eu receio todos os excessos, que fazem ar de inocente.
eu prezo e pago poemas, com outras tão minhas moedas
e galopo na sorte da vida sem culpa, sem medo e sem rédeas...

meu corpo/labirinto não é uma via sem saída,
toda fuga também pode ser um ponto de partida.

pois entenda...

nunca foi nó. foi sempre um laço.
não é calor. é um mormaço.
não é a sede que enche um pote.
no óbito, o hábito foi a causa mortis.


(sheyladecastilhoº
.

2 comentários:

Petro disse...

10!

Feito na hora?

Abcs, Petdro.

Periquita disse...

Muito bom. Muito mesmo! Tornar-me-ei seguidora. emoções

Periquita