segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Reunião de Condomínio

Passavam as 19:00hrs, Horácio sabia que dessa vez não tinha volta, havia prometido à mulher ir à tão adiada reunião de condomínio. Costumava nunca perder tempo com essas cousas, considerava um jeito de desperdiçar sua já limitada paciência. Mas hoje não tinha jeito. Fincara compromisso e, se faltasse, teria de dar explicações à patroa. Logo que chegou do trabalho deu-se por decidido. Teve até o cuidado de tomar um bom banho e colocar uma blusa de tecido que comprara recentemente e que estava mais novinha que as outras. Se era para fazer o negócio, queria fazer direito. A descida, no elevador, sentiu uma sensação estranha, a ansiedade fez seu coração bater mais rápido. Lembrou-se dos tempos de menino, quando tomava coragem para pedir ao pai e à mãe cousa lá que fôsse; uma permissão, talvez. A porta abriu-se e Horácio pôs-se para fora já a ouvir o rebuliço da reunião a começar. Notou várias caras estranhas, gente com quem nunca havia tido contato, outros já seus conhecidos quiseram passar a imagem de que nada havia com o que se preocupar. Foi entrando. Aos poucos acalmou-se e sentou-se em um lugar vago, entre duas mulheres, uma senhora mais velha e a outra uma moça não tão novinha também. Acomodou-se, deu um prumo na roupa e assistiu aos primeiros dez minutos de reunião no mais absoluto silêncio, apenas ouvindo. às vezes os moradores de seu condomínio reverberavam por todos os lados. Ao olhar seu redor, percebeu que todos ali conheciam-se, ele era o único novato. Um neófito. Esperava o melhor momento para falar, mas o instante em que decidia-se por intervir era sempre o mesmo do qual valia outro para dar sua opinião. Resolveu ficar calado, só prestando atenção e assim o tempo foi passando e outros falavam; discutiam sobre o andar em que vivia um jovem muito barulhento e destes sem preocupações para com o conglomerado que era o edifícil; falavam do aumento do consumo de energia elétrica ao dobro quase do do mês anterior; dos zeladores reclamões que pretendiam aumento em seus salários; do preço do cloro da piscina e dos valores e cifras todos relacionados ao porquê daquela reunião; e teve até alguém para lembrar da questão ambiental e reclamar em voz alta a coleta seletiva do lixo, afora o gasto com o resíduo usual.
Aconteceu que, Horácio foi ouvindo e esqueceu de prestar atenção de tanto que ouviu, as vozes passaram a serem ditas em um volume mais baixo, o seu olhar ao redor começou a ficar turvo e seu comportamento, o de uma pessoa sonolenta, e foi indo tanto que cochilou.
Ao abrir de olhos, Horácio logo percebeu todos ali presentes estarem voltados para seu corpo solto na cadeira de plástico que já quase de pernas quebradas, sustentava seu pêso jogado todo por força da gravidade contra o frágil material do qual era feita. O embaraço não pôde ser maior, e a primeira ação sua foi recompôr-se e sentar direito, logo ao mesmo tempo em que balbuciou certas palavras ininteligíveis, puxou do ar do local, pôs mui indistintamente as duas mãos entrelaçadas sobre a mêsa, e com um ar de forçada importância dizer:
- Sim. Por onde paramos?
As reações foram das mais diversas. Houve quem balançasse a cabeça em tom de desaprovação e até quem risse. Mas o fato é que a reunião continuou como se nada tivesse acontecido, as pautas foram fechadas, o caixa também, as pendências, adiadas e deram por finalizada a assembléia. No elevador com algumas pessoas, Horácio surpreendeu-se com o bom humor dos condôminos que até então desconhecia, o que , para êle , foi agradável. É claro. Teve vergonha. Mas esse sentimento foi substituído por uma inesperada afeição pela compaixão e paciência dos demais para consigo. Quando chegou em casa e contou à mulher, ambos riram muito e até fizeram um amor mais gostoso àquela noite. Desde então, não faltou a mais nenhuma reunião do condomínio, e algum tmepo mais tarde foi até mesmo votado cíndico, função que passou a exercer como um hobby paralelo ao seu trabalho natural, de arquiteto; desse modo foi vivendo e nunca esqueceu da primeira vez. Da sua primeira reunião de condomínio, de seu sono sem precedentes e de como tudo isso terminou.

Pedro.

Um comentário:

erik disse...

Muito bom o conto! parabens pelo trabalho!!