quarta-feira, 22 de abril de 2009

Jamais

É só que não dá mais
Esse negócio de escolher
[ jamais.

Foi tamanha dor ater
No peito o que quer tanto
[doer.

Foi-se aquele tempo de brinquedo
Aquele sentar-se ao do fogo o
[labaredo.

Essa paixão já desvela para
Vozes que não me deixam em
[paz.

Jamais

Parei para olhar sua cor
Então dei por mim ser tu uma
[flor.

Agonizando o meu sentimento
[escrever.

Tornei-te
Ganhar-te, jamais

É que não és pedra de bingo
Nem de longe; és na realidade
O meu maior amor proibido.

Toco o meu peito que soa
Um coração em prantos
E você é essa pessoa
Que me afugenta os espantos.

Tão bonita tua voz quis que
[trouxesse
Um pedido mais pedido em prece.

Despedir-me é tocar como toco
A minha ladainha
[jamais.

Petro.

Um comentário:

ParadoXos disse...

Belo muito belo mesmo!